jusbrasil.com.br
30 de Março de 2020
    Adicione tópicos

    Empresários prejudicam negociação com trabalhadores

    Medida afeta cerca de 30 mil trabalhadores da área de processamento de dados em Santa Catarina,

    Ministério Público do Trabalho
    há 5 anos

    Florianópolis - As mais de 3.500 empresas, que empregam cerca de 30 mil trabalhadores da área de processamento de dados em Santa Catarina, retiraram as propostas de aumento real linear e instituição da jornada de trabalho reduzida em mediação conduzida pelo Ministério Público do Trabalho (MPT). Os índices de aumento real para a categoria já acertados em negociações prévias (1,64% para 2012/2013, 1% para 2013/2014), bem como a jornada reduzida de trabalho não integram mais a proposta dos empresários. O aumento real de 2% para o período de 2014/2015 propostos pelos trabalhadores, também foi rechaçado.

    Os dirigentes dos sindicatos patronais alegaram crise econômica e expectativa de recessão para 2015 e por conseguinte desemprego, para justificar a revisão dos posicionamentos assumidos no início do mês perante o procurador do Trabalho Luciano Carlesso.

    Oferecem agora apenas o reajuste do INPC de cada ano sem acordo e um aumento real de 0,5% no fechamento das Convenções Coletivas de Trabalho. Com relação ao banco de horas, oferecem compensação 1x1, com limite de acúmulo de 30 horas/mês, com vigência de 12 meses. O sindicato dos trabalhadores reivindicava limite de 16 horas mensais no banco de horas, vinculado à redução da jornada de trabalho para 40h semanais, a partir de janeiro de 2015.

    O procurador lamentou o retrocesso havido, conforme consenso alcançado pelas partes em negociações prévias e consolidadas nas últimas audiências. Afirmou que “a postura prejudica de maneira importante a continuidade das negociações, através da mediação”. No entanto, acredita que as partes são capazes de superar entraves, de modo a avançar no ajuste, tendo por base as premissas postas no início das discussões.

    A decisão tirada em assembleias patronais foi anunciada na quarta-feira (19), na segunda reunião de mediação realizada na sede do Ministério Público do Trabalho, em Florianópolis, com o SINDPD/SC (Sindicato dos Empregados de Empresas de Processamento de Dados do Estado de Santa Catarina), SEINFLO (Sindicato das Empresas de Informática e Processamento de Dados da Região Metropolitana de Florianópolis) e SEPROSC (Sindicato das Empresas em Processamento de Dados do Estado de Santa Catarina). Nova reunião está marcada para esta semana.

    Mediação nº 1084.2014.12.000/8

    Informações

    MPT em Santa Catarina

    (48) 32519913

    [email protected]

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)